28 fevereiro 2012

"A Brasileira de Prazins", de Camilo Castelo Branco, dia 30 de Março de 2012, às 21H

Cena do Minho

O livro começa com o autor a descrever num prólogo como lhe veio parar às mãos uma carta desesperada escrita por uma jovem, a Marta de Prazins a José Dias, o homem que ama e que está a morrer. O autor recorre então a um conhecido que lhe relata a história.
O romance em si, conta duas histórias. Após introduzir as personagens que vão ser centrais na segunda parte do livro, este passa a centrar-se na história de um falso D. Miguel que se esconde na casa de um padre minhoto. Deste modo Camilo procura dar ao leitor um retrato das condições sociais, políticas e económicas do Minho no período pós-Lutas liberais.
A segunda parte do livro conta a história de Marta e do seu amor por José Dias, e como ela acaba conhecida como a brasileira de Prazins.

5 comentários:

Manuel José disse...

Entendimento literal e constrviçam portvgveza de todas as obras de Horacio, principe dos poetas latinos lyricos:com indice copioso das historias, & fabulas conteúdas nellas --- Com todas as licenças por Manoel da Silva, 1639
500 páginas.
--------------Há um exemplar à venda na Net por 350,00 EUR.

Maria Amélia disse...

Espantoso! E pensarmos nós o tratamento que estava a ser dado naquela adega do Minho a tal raridade actual!

Manuel Nunes disse...

Já era raro na altura, como nos diz o narrador na introdução da novela.
Procurando nos anais da Biblioteca Nacional do Brasil (consulta virtual) encontrei a seguinte justificação para tão especiosa obra, dada por um tal Aleixo Sequeira, natural do lugar de Panoyas, Alemtejo, "muito perito no estudo das letras humanas". Diz assim: "Para que a mocidade portugueza claramente percebesse as moralidades, que estão occultas nas Odes de Horacio, as traduziu [o tal tradutor cujo nome não guardei] em língua materna, e as dedicou a D. Venâncio de Lancastre, depois cardeal da Igreja Romana". Ainda bem que se trata das moralidades de Horacio. Se fossem as de Catulo...

Maria Amélia disse...

... Ou de Procusto...

Custódia C.C. disse...

Esta conversa está muito erudita ... embora se fale ali de uma certa aldeia alentejana, agora chamada de Panoias, sem y e que conheço muito bem ...