22 junho 2012

Ala para Cuba!


“Um baque. Todas as noites um sobressalto quando as imagens de Gilbert Roland, de camisa aberta, esvoaçante, lhe sorria, um pouco de lado. Chegara a altura de apagar a televisão, que agora mostrava relampejos de tiros, e de ir para a cama.
Ah, se tivesse dinheiro, ala para Cuba. Não a Cuba dos noticiários, nem a dos turistas, nem sequer a da geografia. Ela queria a Cuba de Gilbert Roland.”
In “quando o Diabo reza”, de Mário de Carvalho, pág. 34

Nenhum comentário: