27 julho 2012

A LAMENTAÇÃO DE PROCUSTO


A LAMENTAÇÃO DE PROCUSTO
I
Reconheço os crimes que cometi, o terror que espalhei pela Ática, infligindo aos viandantes os suplícios do leito. Via-os chegar exaustos ao cais do porto onde os esperava, queimados de vento e pó, as sandálias e as túnicas desfeitas,– de bom grado aceitavam a miragem de repouso que lhes prometia.
II
Confesso que sofria. Perturbava-me a impiedade dos deuses, o fogo sombrio da desigualdade nos olhos dos homens, o rápido fluir da vida sob as pontes do destino absurdo. Mas o mal que pratiquei nunca me concedeu a satisfação, nunca tive prazer em ver no rosto das vítimas o reflexo cruel do pavor sem limites: fiz apenas o que estava destinado fazer-se desde o princípio dos tempos.
III
Capturou-me Teseu numa vereda que levava a Elêusis. O dia era uma promessa de luz e havia no ar um cheiro brando a pinheiros. Eu tinha os olhos rasgados de viandantes e as mãos tolhidas de sangue.
IV
Morri no suplício do leito, mas os meus membros decepados, vivos em metáforas, atravessaram o martírio da História por séculos de luz e de trevas.
V
Bastava o frio castigo de Teseu e a mortalha de silêncio sobre o meu ser desprezível: a moeda ao barqueiro, o rio sem regresso. Teria descido em paz ao reino das sombras, aliviado dos meus crimes e da tirania dos deuses. Teria descansado, enfim, no leito do olvido.

MANUEL NUNES; DISPERSO ESCREVEDOR, SEXTA-FEIRA, FEVEREIRO 17, 2012

Nenhum comentário: