21 julho 2012

OS MITOS (2)

Representação do Minotauro num vaso ático de cerca de 515 a.C.

Querendo vingar-se de Minos, Posídon, deus dos Mares (Neptuno para os latinos), fez Pasífae apaixonar-se por um belo toiro. Da união ilícita nasceu o monstro Minotauro, figura de toiro e homem.
Indignado com a esposa, Minos mandou construir o Labirinto para nele encerrar o fruto do adultério.
Diz Ovídio nas Metamorfoses, Livro VIII 159-168:
Celebérrimo pelo seu talento na arte da arquitectura, Dédalo
encarrega-se da obra, baralha os sinais e faz o olhar enganar-se
em retorcidas curvas  e contracurvas de corredores sem conta.
Tal como na Frígia o Meandro nas límpidas águas se diverte
fluindo e refluindo num deslizar que confunde, e, correndo
ao encontro de si próprio, contempla a água que há-de vir,
e, voltando-se ora para nascente, ora para o mar aberto,
empurra a sua corrente sem rumo certo, assim enche Dédalo
os inumeráveis corredores de equívocos. A custo ele próprio
logrou voltar à entrada: de tal forma enganador era o edifício.

3 comentários:

Custódia C.C. disse...

Ah o Labirinto! Onde há um Labirinto haverá certamente um fio ... será o de Ariadne ?

Manuel Nunes disse...

Pobre Ariadna, deu o fio a Teseu e foi por ele abandonada em Naxos.

Joca disse...

E, nestes mitos, não se encontra o fio à meada?