16 junho 2013

O CAMÕES LÍRICO


Aquela triste e leda madrugada,
Cheia toda de mágoa e de piedade,
Enquanto houver no mundo saudade,
Quero que seja sempre celebrada.

Ela só, quando amena e marchetada
Saía, dando ao mundo claridade,
Viu apartar-se de uma outra vontade,
Que nunca poderá ver-se apartada.

Ela só viu as lágrimas em fio,
Que de uns e de outros olhos derivadas,
Se acrescentaram em grande e largo rio.

Ela ouviu as palavras magoadas
Que puderam tornar o fogo frio

E dar descanso às almas condenadas.

In Camões, L. (1971 [1560?]) Poesia Lírica (Livros RTP, Verbo, Lisboa), p. 85

Vem este soneto a propósito de algumas coisas, mas sobretudo para assinalar um certo estado de espírito sequente àquela nossa maratona, palavra que assinala um certo esforço... o que, realmente, não aconteceu, conforme já referido. O que me aconteceu, entre outras emoções, foi apetecer-me o Camões que em nenhuma etapa  havia rejeitado e que vivia no meu mais íntimo, em palavras maravilhosas, que se balbuciam ao ritmo do coração. Não serão muitos, os sonetos, mas enchem-nos a alma, talvez porque se trata da Alma Universal?. 

4 comentários:

Manuel Nunes disse...

Do épico ao lírico. Este soneto diz-me muito.

Custódia C.C. disse...

Lindo, Maria Amélia!

Maria Amélia disse...

Sabem que mais? Ter estas coisas à mão é mesmo uma Benção! (E termo-nos uns aos outros também!)

Paula M. disse...

Completamente de acordo! Soneto lindo. Sempre adorei o Camões lírico.