10 outubro 2013

"Nenhum Olhar" de José Luís Peixoto - 25 de Outubro, 21h00


E pegando no post ali de baixo do Manel

A abrir

"Hoje o tempo não me enganou. Não se conhece uma aragem na tarde. O ar queima, como se fosse um bafo quente de lume, e não ar simples de respirar, como se a tarde não quisesse já morrer e começasse aqui a hora do calor. Não há nuvens, há riscos brancos, muito finos, desfiados de nuvens. E o céu daqui parece freso, parece a água limpa de um açude ..."

"Nenhum Olhar" de José Luís Peixoto

Nenhum comentário: