25 março 2014

"CONSOLAÇÃO ÀS TRIBULAÇÕES DE ISRAEL"


27. Portugal Ano 5253.
Quando mandaram os mininos
aos lagartos.

DEPOIS desta assi temerosa fortuna e tempestade,
não tardou outra sobre mi muito maior, porque
desejando este rei achar alg~ua razoada ocasião de
avexar-me, mandou saber se havia entrado mais
gente no reino que aquelas das seis centas casas
como fora o acordo, e como quer que a pressa
com que de Castela saíam estes corridos filhos
meus não lhe deu lugar a entrar por conto nem
esperar algum a ser o derradeiro, acharam-se mor
número; todos estes que sobejaram disse El-rei
que lhe ficavam cativos e escravos seus, porque
como a taes os podesse magoar a sua vontade, e
esecutar neles sua má tenção, e não bastando
quererem-se resgatar pelo preço que os mais
haviam entrado nem per outro algum, havendo-
-se por minha desventura descuberto naquele
tempo a ilha de São Tomé, cujos moradores eram
lagartos, serpes e outras muito peçonhentas bichas
e deserta de criaturas racionaes, onde desterravam
os malfeitores que à morte eram já obrigados per
justiça, em sua companhia quis também que entrassem
as inocentes criaturas de todos estes judeos,
cujos paes parece que ante o juizo divino eram
condenados.
Chegada esta infelice e miserável hora em que se
havia ~ua tão fera crueldade de esecutar, vereis
ensanguentar os rostos com as mãos as coitadas
madres que dos braços lhe tiravam seus filhos de
até tres anos, depenar as barbas os honrados velhos
porque lhe arrebatavam suas entranhas de ante os
olhos, e as mal afortunadas criaturas levantar seus
vivos gritos té o céo, vendo-se afastar tão despiadosamente
de seus amados padres em idade
assi tenra e lastimosa. Lançavam-se aos pés de El-
-rei alg~uas, cramando que ao menos as deixassem
ir acompanhar seus filhos, e nem inda a isto sua
piadade se inclinava. Entre estas houve ~ua mai que,
considerada a horrenda e nova crueza sem mestura
de alg~ua misericórdia a seus cramores, arrebatando
seu filho nos braços da alta nao, dentro no tempestuoso
mar se lançou e fundio com a sua única
criatura abraçada.
(…)

SAMUEL USQUE, Consolação às Tribulações de Israel, edição de Ferrara, 1553.

Um comentário:

Custódia C.C. disse...

Que fabulosa e realista é esta crónica ...