09 outubro 2015

SVETLANA, MEU AMOR

 

Cansadas de apostarem em cavalos errados, as casas de apostas finalmente acertaram. O Murakami vai ter de continuar a correr sozinho - os ténis quase rotos.  Algum dia será, nem que seja na Eternidade... Por agora ficamos com uma mulher que conhece o estertor do "homem soviético". O que isso seja, não sei, não li o livro, mas vou procurar informar-me. 
Entretanto, estou a ficar farto disto, vou-me embora pra Pasárgada.
 
 

3 comentários:

Anônimo disse...

Bia pergunta...

Pasárgada existe? Também quero ir para lá!

Custódia C. disse...

Bia: no refúgio do nosso imaginário existe certamente ...quiçá Pasárgada tem muitos nomes? :)

Quanto ao Nobel ... enquanto há vida, há esperança!

Anônimo disse...

Bia, diz...

O País dos Sonhos, existirá sempre, dentro de nós.