12 junho 2012

"quando o Diabo reza" de Mário de Carvalho - 29 Junho às 21h00

A abrir

"- Não, o outro.
A bejeca deixou uma fímbria de branco poroso a ferver no lábio de Abreu. O ar de desdém, basófio e curto, derivava agora, nasalado, pela fresta da comissura:
- Alguém mandou olhar?
Dois velhos pasmados a uma mesa de canto, queixos pendidos sobre as chávenas de café. Não era o da boina de xadrez, de beiço torto. Era o de bochechas lassas, e olhos aguados, como um buldogue. ..."
 
 
in "quando o Diabo reza" de Mário de Carvalho

4 comentários:

Manuel disse...

A Ana Cristina pediu ao autor para vir à sessão.

Custódia C.C. disse...

E será que vem? Seria óptimo...

Tertulia XXI disse...

Esta comunidade continua a ser uma excelência.
Será sempre referida em http://1s1o.blogspot.pt/p/seguir.html

Manuel Nunes disse...

Obrigado, Luís Filipe, grande animador da Tertúlia XXI. Agradecemos a sua dedicação à nossa causa. Apareça para o Mário de Carvalho, acho que ele vem mesmo.
Abraço