14 janeiro 2013

JÚLIO DINIS e CAMILO: Encontro no Chiado e Ironia


Excerto curioso de uma carta de Júlio Dinis para o seu amigo Custódio Passos, irmão do poeta Soares de Passos.
Escrita em Lisboa a 18 de Fevereiro de 1869.
-----

“Ontem, descendo o Chiado, esbarrei cara a cara com não menor personagem do que Camilo Castelo Branco. Se fosse no Porto, saudar-nos-íamos muito cerimoniaticamente e passaríamos. Aqui foi outra coisa. O amável romancista dirigiu-se-me com maneiras tão afáveis, que dir-se-ia sentir um real prazer em me encontrar.
Queixou-se-me por miúdos dos seus males físicos, que o tinham obrigado também a vir a Lisboa; das suas apreensões a respeito duma suposta doença de espinha medular (e alguns fundamentos tem para a suposição), das canseiras que lhe tinha dado a doença dum filho, obrigando-o isso a dias de continuada vigília; informou-se dos meus padecimentos, deu-me conselhos, sentiu do coração, que a minha doença me não deixasse escrever; e terminou oferecendo-me a sua casa. Separámo-nos como grandes amigos, depois dum tête-a-tête de um quarto de hora.
O homem está realmente muito escavacado. Ele diz que morre saciado – porque soube viver muito em 42 anos.”
 
JÚLIO DINIS, Cartas e Esboços Literários, Porto, Livraria Civilização, 1946 (d. do prólogo), p. 129.
 

2 comentários:

João disse...

Já estou a meio da obra e confesso que estou a gostar, por nos aproximar da nossa essência.
Retiro do livro a frase:

«Mas não basta sentir, é necessário transmitir as expressões dos nossos sentimentos»

Somos seres construídos pela narrativa e a Comunidade de Leitores é o cadinho dessa fusão.

Custódia C.C. disse...

Tenho para mim que o Camilo mesmo jovem devia parecer escavacado :)
Mas é um registo delicioso este...